O que é a dieta carnívora?

Já superada nos textos anteriormente publicados, a questão da análise da dieta carnívora do ponto de vista evolutivo, bem como as semelhanças da anatomia de animais carnívoros com os seres humanos e diante da apresentação de populações que seguiram uma dieta predominantemente à base de alimentos de origem animal, resta expor o que de fato é uma dieta carnívora.

Se alguém lhe dissesse há alguns anos que a próxima grande tendência dietética seria o carnivorismo, você provavelmente riria: “Ah, eu entendo. É como o oposto do veganismo. Isso poderia ser, um episódio de South Park ou algo assim”. Acontece que hoje, a dieta carnívora já é global e a cada dia que passa, o número de adeptos cresce e infla o movimento.

Instintivamente, faz sentido rotular o carnivorismo como uma resposta ao veganismo, agora “mainstream” e muitas vezes dogmático, mas os adeptos da dieta geralmente não defendem um sentimento anti-vegano. A intenção dos adeptos é meramente buscar reverter anos de equívocos nutricionais que resultaram na epidemia de obesidade e doenças relacionadas à síndrome metabólica.

Mas sim, a dieta acaba sendo o oposto do veganismo, já que ao invés de se evitar qualquer alimento de origem animal, os adeptos do carnivorismo evitam todos os alimentos vegetais.

A dieta carnívora é uma dieta de baixo ou “zero” carboidratos, sendo uma variação da dieta cetogênica clássica, onde há um consumo bem reduzido de carboidratos, mas que inclui vegetais, algumas frutas de baixo carboidrato e índice glicêmico e oleaginosas.

Como você não come alimentos de origem vegetal, a ingestão de carboidratos é praticamente zero. Eu digo praticamente, porque, por exemplo, ovos, laticínios têm carboidratos.

No estilo alimentar denominado carnivorismo, entram em todas as refeições apenas alimentos de origem animal, como carnes, vísceras, órgãos, frutos do mar, gorduras animais (banha, sebo, manteiga), ovos, ossos, iogurtes naturais e queijos.

Se os carnívoros não estão seguindo a pirâmide alimentar do USDA para as recomendações alimentares da dieta americana padrão (SAD), então precisam da própria “pirâmide alimentar de carnívoros”.

A dieta carnívora e a dieta cetogênica permitem proteína e gordura enquanto restringem os carboidratos, mas a abordagem carnívora exclui todos os alimentos que não são de origem animal, ou como gosto de ilustrar para facilitar a compreensão:

“Se entrou na Arca de Nóe faz parte da base da dieta carnívora” (excluídos obviamente os animais venenosos e os que por influência dos costumes e cultura não são utilizados como fonte de alimento).

Você pode comer qualquer alimento de origem animal que desejar em qualquer quantidade ou combinação que preferir e beber água como fonte de líquido, seguindo os sinais de fome e de saciedade. Alguns são um pouco mais flexíveis e fazem exceções para café, chá, vinho, destilados e temperos.

A carne é saciante, o gosto é bom, e normalmente não somos tentados a comer carnes demais. Ao contrário de deliciosas tentações como pizza e sorvete, não nos empolgamos e “acidentalmente” comemos um monte de costelas de forma descontrolada.

Uma dieta carnívora é naturalmente rica em proteínas/gordura e pobre em carboidratos, uma combinação que tem sido observada como eficiente para suprimir/controlar o apetite, afetando os principais hormônios da fome, como a leptina e a grelina.

Quais alimentos posso comer na dieta carnívora?

No carnivorismo você só vai comer alimentos de origem animal, sem frutas, sem vegetais, sem açúcares, mas poderá comer todas as carnes que quiser, sejam de origem bovina, suína, caprina, ovinas, de aves e etc.

É uma dieta restritiva, sim, mas ninguém pode argumentar contra sua simplicidade. Além disso no carnivorismo estão presentes apenas aos alimentos mais ricos em valor nutricional e os mais biodisponíveis, logo, a adoção da dieta não será responsável por causar deficiências nutricionais, pelo contrário, já que o efeito é justamente o de proporcionar reparação e nutrição adequada ao corpo.

Muitas pessoas estão recuperando a saúde ao adotarem o carnivorismo. Isto não é surpreendente, considerando as muitas deficiências nutricionais que outras dietas frequentemente induzem. Quando começam uma dieta carnívora, ao receberem quantidades mais elevadas de ferro e zinco biodisponíveis, B12, vitamina A pré-formada, EPA e DHA, não é de admirar que elas se sintam muito melhores, física e mentalmente.

Dependendo dos alimentos de origem animal que alguém consome em uma dieta carnívora, é possível que sua dieta agora tenha uma qualidade nutricional maior, por estar consumindo mais vitaminas do complexo B, ferro, zinco, selênio e outros nutrientes do que antes. Isso pode ser um grande fator na recuperação da saúde das pessoas.

Os alimentos vegetais não são absolutamente necessários na dieta humana. O que precisamos realmente para viver? Precisamos de proteínas, gorduras, vitaminas e minerais em certas quantidades e os alimentos de origem animal podem cobrir essas necessidades.

Quais os benefícios da dieta carnívora?

Embora o abandono da totalidade dos alimentos vegetais pareça um passo severo para a maioria das pessoas, ele remove instantaneamente quase todos os alergênicos mais comuns e antinutrientes podem causar problemas de saúde e desconforto, e, como nas dietas “low carb”, a falta de carboidratos pode oferecer várias vantagens.

A título de exemplo dos problemas que podem ser causados pelas plantas, o livro best-seller: “The Plant Paradox”, do Dr. Steven R Gundry, reuniu evidências de que uma proteína encontrada nas plantas, chamada lectina, pode causar inflamação e distúrbios autoimunes em todo o corpo humano.

Existem, claro, alergias e intolerâncias a alimentos de origem animal. Algumas pessoas são sensíveis a ovos ou laticínios, alérgicas a crustáceos, e algumas podem ser sensíveis às histaminas, que são compostos que podem estar presentes em alimentos de origem animal, particularmente aqueles que são curados ou envelhecidos, como carnes curadas e queijos envelhecidos.

Assim, a dieta carnívora não elimina automaticamente a totalidade dos potenciais irritantes da dieta, mas se alguém suspeitar de uma dessas sensibilidades alimentares, pode elaborar a sua dieta isenta de ovos e produtos lácteos, e baixa nos produtos de com histamina alta. A dieta carnívora tem certos princípios orientadores, mas, dentro deles, é altamente personalizável.

Eliminar todos os vegetais de sua dieta parece extremo, mas não é tão louco quanto parece à primeira vista. A dieta carnívora leva as coisas um passo adiante e desafia até mesmo alguns dos princípios equivocados que acreditamos serem verdadeiros - por exemplo, a fibra como sendo importante para um intestino saudável e função gastrintestinal adequada, ou antioxidantes das plantas como sendo benéficos e imprescindíveis para a nossa saúde.

Muitas plantas contêm substâncias que causam desconforto nos seres humanos e, na realidade, a maioria é indigesta para nós. Cultivamos vegetais e frutas para serem comestíveis, mas aproximadamente 99% das plantas encontradas mundo não são comestíveis por humanos. As plantas que ingerimos não são ricas em nutrientes da mesma forma que os produtos animais.

Se você pensou em adotar o carnivorismo, mas já tem uma condição médica ou está tomando medicação (para pressão alta ou diabetes tipo 2, especialmente insulina) você deve ser monitorado por um médico. Não ajuste seus medicamentos sem supervisão.

Meu conselho sobre o carnivorismo é o mesmo para qualquer outra mudança na dieta: ouça seu corpo. Preste atenção em como você se sente fisicamente, mentalmente, emocionalmente e cognitivamente. Provavelmente haverá um período de adaptação, especialmente se você estiver migrando para uma dieta carnívora de uma dieta padrão ocidental com alto teor de carboidratos.

Apesar da ausência de estudos, os efeitos positivos da dieta dos carnívoros podem ser plausivelmente validados usando a ciência já existente. Com alto teor de proteína e virtualmente zero carboidratos, a dieta carnívora é provavelmente a dieta mais saciante, menos calórica e mais densa que uma pessoa pode comer. Não é de surpreender que os recém-chegados na dieta estejam desfrutando de uma rápida perda de peso e dos benefícios associados.

No mais, gastar seu dinheiro arduamente ganho em alimentos de qualidade, como são os de origem animal, é o investimento mais importante que você pode fazer para sua saúde atual e futura.

Referências:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3262614/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK441923/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3257642/

https://academic.oup.com/ajcn/article/96/5/1193S/4577160

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18214019

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17009166

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/3911266

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3651966/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5331567/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/1476405

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/389993

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4120831/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4052396/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/14988640

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2725368/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3967179/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5793309/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4839665/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2659900/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17855692