Introdução

Você está comendo e vivendo bem, mas está confuso porque ainda se sente mal?

Você pode ter algo do qual nunca ouviu falar - envenenamento por oxalato. Ironicamente, pode ser a sua dieta “saudável” que o está deixando doente. 

O que são

Ao contrário da crença popular, as plantas não querem ser comidas. Elas usam vários mecanismos para impedir serem comidas por predadores, um dos quais são os oxalatos. 

As plantas têm “motivações” para sua sobrevivência, não a saúde humana. Para se proteger, as plantas usam fitoquímicos para impedir que os predadores os comam. Essas moléculas especiais lutam contra fungos, insetos e predadores animais - incluindo nós, humanos. Os oxalatos são uma dessas moléculas.

Os oxalatos são compostos corrosivos que ocorrem naturalmente em alimentos vegetais e interferem na absorção de ferro, cálcio e magnésio. Eles evitam a absorção de minerais, esgotam vitaminas e podem bioacumular, causando danos aos tecidos e órgãos. 

As plantas usam oxalatos para regular seu próprio conteúdo mineral interno e ajudar na defesa contra predadores. (*)

Por que existem antinutrientes nas plantas?

Assim como o corpo humano tem sua própria defesa imunológica, as plantas precisam de um sistema de defesa próprio. Esses antinutrientes ajudam a proteger as plantas contra predadores como animais, insetos e bactérias nocivas. Os humanos também estão inclusos.

No items found.
Como assim as plantas não querem ser comidas?
relacionado

Como assim as plantas não querem ser comidas?

As plantas não evoluíram para ser uma fonte de alimento para os predadores e elas nos enxergam assim.

Acessar artigo

Problemas mais comuns

Os oxalatos podem irritar os nervos, danificar os tecidos conjuntivos, irritar o trato digestivo e provocar inflamação. (*)

O envenenamento por oxalato (como muitas outras formas de envenenamento) começa como uma doença silenciosa e gradualmente progressiva. E isso afeta cada pessoa de forma diferente.

Infelizmente quando os sintomas aparecem, os médicos raramente suspeitam que a causa seja envenenamento por oxalato.

Esta substância pode levar a uma ampla gama de problemas, em todo o corpo, como: danos nos rins (*), danos ao intestino, podem contribuir para o desenvolvimento de doença celíaca e intestino permeável, problemas respiratórios, produção de muco e congestão, problemas cerebrais - sono, humor, comportamento, cognição, capacidade organizacional, autismo (*, *), problemas urinários e dor genital, vulvodínia (*), problemas de gengiva e dente, instabilidade óssea e do tecido conjuntivo, contribuir para o envelhecimento e pode fazer você se sentir velho prematuramente. (*, *)

Esses problemas nem sempre causam sintomas óbvios. O início pode incluir um mal-estar generalizado, baixa concentração, algum tipo de "-itis" (gastroenterite, tendinite), rigidez articular, inchaço, dor muscular ou fraqueza.

Oxalato não é apenas um antinutriente que esgota cálcio e ferro, roubando vitaminas e minerais essenciais. Ele também é tóxico e podem afetar negativamente quase todos os sistemas corporais. (*)

Um estudo observou que os níveis dos participantes de magnésio, cálcio e zinco caíram significativamente quando consumiram alimentos com alto teor de oxalato por apenas uma semana. (*)

Quer evitar? Veja abaixo onde são encontrados em grande teor.

Onde são encontrados?

Os oxalatos estão presentes em uma grande variedade de vegetais, em especial muitos dos chamados "superalimentos", como espinafre.

Os alimentos com maior teor de oxalato incluem: espinafre, ruibarbo, kiwi, morango, figo, uva roxa, quiabo, alho poró, beterraba, amendoim, amêndoas, nozes, pistache, macadâmia, castanha de caju, endívia, cacau em pó, chocolate, couve, batatas doces, acelga, carambola, tofu, soja, hambúrgueres de soja, chás, café, farelo de trigo, trigo, batata, vagem etc. (*, *)

O oxalato é encontrado em vegetais, algumas frutas, sementes e nozes.

Para aqueles que seguem a dieta low carb ou cetogênica e consomem grandes quantidades de farinha de amêndoa e chocolate amargo, vale a pena ter cuidado: porque os oxalatos podem ser encontrados também nesses alimentos.

Quem é mais vulnerável aos danos?

  • Qualquer pessoa que tenha o hábito de comer alimentos ricos em oxalatos(*);
  • Aqueles com uma história prolongada de uso de antibióticos; (*)
  • Pessoas que lidam com autismo; (*)
  • Pacientes com histórico de doenças autoimunes; (*)
  • Pessoas que sofrem com problemas neurológicos; (*)
  • Pessoas com problemas cognitivos ou de humor; (*)
  • Pacientes com pedras nos rins e pacientes com doenças renais; (*)
  • Pacientes que fizeram cirurgia bariátrica; (*)
  • Pacientes com doenças intestinais; (*)
  • Pessoas que sofrem com doenças crônicas relacionadas à inflamação;
  • Pessoas que sofrem com problemas de pele; (*)
  • Pessoas com problemas de tireoide.

Como saber se você está sofrendo de envenenamento por oxalato?

Esta é uma maneira prática de determinar com certeza se o envenenamento por oxalato é a fonte de seus problemas.

- Experimente uma dieta de baixo teor de oxalato (a carnívora é uma excelente opção),
- Dê ao seu corpo tempo para ajustar e reduzir o nível de depósitos e
- Veja a diferença.

A dieta carnívora é a melhor dieta para quem quer se livrar de envenenamento por oxalato. E esse é um dos motivos pelos quais muitas pessoas tiveram melhoras impressionantes na saúde, mesmo após terem feito dieta "paleo", "low carb e cetogênica".

Cuidado

As abordagens dietéticas modernas têm colocado grande ênfase nos benefícios para a saúde de vegetais, nozes, chocolate e especiarias, apesar de serem ricos em oxalato. 

Há muito incentivo e até pressão para comer verduras, nozes, frutas e outros alimentos vegetais “inteiros”. Constantemente ouvimos que o caminho certo para a saúde completa é a dieta “à base de plantas”. 

No contexto de um sistema alimentar global oferecendo todos os tipos de produtos alimentícios imagináveis 365 dias por ano, a recomendação de "comer mais plantas" pode ser perigosa para a saúde devido ao consumo excessivo de oxalatos.

Aumentos dramáticos nos cálculos renais e problemas funcionais com a saúde digestiva, neurotoxicidade (sono, função cerebral), inflamação (dor, autoimunidade, estresse celular, fadiga) e instabilidade do tecido conjuntivo (osteoporose, artrite, vulnerabilidade a lesões) todos são consistentes com o aumento da toxicidade por oxalato.

As autoridades de saúde deixaram a bola cair. Como resultado, ninguém está prestando atenção aos oxalatos em nossa comida e como a quantidade que ingerimos tem aumentado cada vez mais, estamos pagando um preço por nossa ignorância sobre o que estamos comendo.

Conclusão

Uma dieta baixa em oxalato pode reduzir potencialmente o risco de pedras nos rins, melhorar a absorção de nutrientes, diminuir a inflamação e diminuir os sintomas de muitos problemas de saúde.

Não espere por algum aviso oficial. O oxalato é uma toxina. Ao contrário da maioria dos venenos ambientais, esta é uma toxina que está sob seu controle para evitar.

A melhor coisa que você pode fazer para limitar a quantidade de oxalatos que você come é reduzir a ingestão de plantas.

Não é de se espantar que as pessoas melhorem tanto a saúde em uma dieta carnívora.

No items found.