Boi

Manual completo para fazer um burger perfeito

Quer aprender como fazer um burger perfeito em casa? Confira o manual!

Dá mesmo para comer hambúrguer em uma dieta carnívora?

Fazendo poucas adaptações, é possível comer burgers em uma dieta carnívora. 

Você quer mesmo aprender a fazer bons burgers? Então vamos te ajudar a dominar a arte dos blends, molhos, queijos e sabores para você não precisar mais comprar hambúrgueres prontos daqueles de supermercado ou gastar muito dinheiro pedindo lanches sem pão em serviços de delivery. 

Duas lições básicas

O que vamos te ensinar é como fazer hambúrguer de verdade usando técnicas profissionais das melhores hamburguerias do Brasil e do mundo. 

Perdemos a conta de quantos hambúrgueres comemos e até hoje percebemos que várias hamburguerias continuam cometendo erros básicos na preparação do hambúrguer artesanal. Mas não se preocupe, a melhor notícia é que fazer um bom hambúrguer caseiro pode ser super fácil e barato, seguindo nossas dicas.

Você não precisa de cortes mais caros como filé de costela ou picanha para fazer as melhores combinações, pois pode usar uma mistura de cortes do dianteiro, baratos e poucos utilizados por serem considerados “carne de segunda”. 

Ah, tão importante quanto a carne são: o pão, os molhos, escolha de queijos e a gordura, a moagem e moldagem etc. Vamos passar por tudo isso de agora em diante, começando com duas lições.

  1. Compre em um lugar de confiança

Você precisa escolher um excelente açougue, que sirva carnes frescas e de boa procedência. Lembre-se que se a carne não estiver fresca ou não for de qualidade, seu hambúrguer não ficará gostoso. A carne e a gordura são os principais ingredientes do hambúrguer, então se não estiverem bons, nunca chegará ao hambúrguer perfeito.

A segunda lição que precisa dominar envolve a escolha da carne e os cuidados corretos para não deixar que estraguem: 

  1. Tome alguns cuidados com a carne

Para falar em segurança alimentar vamos começar pela escolha do fornecedor e a procedência da proteína. Analise a cor - uma boa carne é sempre bem vermelha com traços brancos de gordura aparente.

Carnes embaladas a vácuo podem parecer mais escuras, pois isso se deve a falta de oxigenação da mioglobina, mas assim que abrimos o pacote a coloração da carne volta ao normal.

A carne deve ser macia ao ponto de ceder (afundar) ao toque, porém deve voltar ao normal rapidamente. Confie em seus sentidos, a carne deve ter aroma suave.

A carne crua pode permanecer por no máximo 30 minutos em temperatura ambiente, devendo ser imediatamente refrigerada após esse período.

Em relação ao prazo de validade, carnes congeladas em pedaços têm prazo de validade de 8 meses, carne assada ou bifes crus têm prazo de validade de até 6 meses se congeladas, e carne moída tem prazo de validade de até 3 meses. 

Podemos considerar a temperatura de 4˚C para um armazenamento de até 3 dias e -18˚C para congelamento com prazo de 3 meses.

Durante o descongelamento da carne o processo não deve passar dos 4˚C. O ideal é que aconteça em um refrigerador e pode demorar até 3 dias.

Agora que você aprendeu a comprar suas carnes e alguns cuidados básicos, é hora de saber quais são os melhores cortes para fazer o seu burger. 

Os cortes de carne

A dica principal é dividir o boi em dianteiro e traseiro. O traseiro basicamente são carnes para churrasco e mais macias. O dianteiro são carnes mais duras e muito boas para o hambúrguer.

Use cortes mais baratos de carne bovina, de músculos mais duros como acém e peito. Esses cortes têm mais mioglobina e a mioglobina é o que dá à carne o sabor intenso por carregar os átomos de ferro, que também lhe proporciona a cor vermelha, então lembre-se, o vermelho da carne não é sangue. 

A primeira qualidade das carnes do dianteiro é o sabor, ninguém quer comer um hambúrguer sem gosto. E para completar são carnes mais baratas, pois são mais difíceis de serem preparadas porque são mais duras. Mas o hambúrguer é feito de carne moída, então não há nenhum problema em usarmos carnes mais duras, já que o que é mais importante é o sabor. 

No dianteiro do boi, as carnes mais comuns no hambúrguer são: acém, peito e pescoço. Se você escolher pelo menos uma destas, já tem grande probabilidade de acertar. Outras opções que aparecem menos são a raquete da paleta e a costela gaúcha. Todas elas custam pouco e são muito saborosas, principalmente se combinadas entre si ou com outras.

A combinação entre cortes do dianteiro com do traseiro não é proibido, vai dar um bom resultado, mas quanto mais carnes nobres usar, mais caro o seu blend.

No traseiro, as carnes mais usadas para o hambúrguer são: a fraldinha, patinho, coxão duro e alcatra.

Cada corte irá contribuir com o seu próprio sabor e nuances de textura e você pode brincar com cortes diferentes para reforçar os sabores que preferir. 

Aqui estão alguns cortes que separamos como opções para usar em seu blend:

Acém

Nos Estados Unidos, as boas hamburguerias usam o chuck, que no Brasil seria o equivalente ao acém. Os músculos na parte superior do ombro são intercalados com pequenos tecidos de gordura por toda parte. É considerado um corte magro e macio, além de oferecer um custo/benefício excelente.

Peito

A massa muscular do peito tem toneladas de sabor, isso devido à alta concentração de mioglobina por conta da grande necessidade de oxigenação do músculo.

A gordura que reveste esse corte também é excelente para praticamente todos os blends.

Pescoço

Continuação do peito, tem formação muscular semelhante ao mesmo, porém nesse corte encontramos mais colágeno, o que pode ser um diferencial interessante no seu preparo.

Patinho

Tem um ótimo sabor, mas geralmente é muito magro, necessitando prioritariamente de um corte gorduroso para compor o blend.

Ponta de agulha

Um corte muito saboroso, tem uma proporção excelente de gordura e massa magra. Para os amantes de fast food, especula-se que grandes redes utilizam a ponta de agulha em seus preparos.

Capa de filé

Esse corte cobre o contrafilé e o filé de costela. É muito saboroso, porém apresenta muitos nervos, nada que não seja resolvido em um bom preparo no açougue.

Costela

Este corte tem um tipo de gordura rica em sabor que permanece intacta e não se dissolve facilmente quanto outras gorduras encontradas no animal. Isso ajuda o hambúrguer a ficar úmido.

Cupim

O cupim está localizado na parte dianteira do animal, mais precisamente atrás do pescoço de bovinos das raças zebuínas e seus cruzamentos, e representa 3,29% do dianteiro. É uma carne macia entremeada de gordura. Isso faz desse corte uma composição interessante para um blend.

Tão importante quanto acertar na escolha da carne é entender sobre o papel da gordura para o sucesso do burger. É disso que vamos falar agora. 

O papel da gordura e o percentual indicado

A gordura é tão importante quanto a carne pelo sabor do blend. 

A mistura de carne e gordura faz com que o hambúrguer ao ser levado ao fogo, independente se em uma chapa ou numa grelha, tenha a gordura derretida e se misture à carne. 

Dependendo do tipo de gordura e carne usados você terá sabores característicos. Um exemplo disso é a costela, que se moída e misturada com a própria gordura dá um ótimo hambúrguer e neste caso pode até ser usada sozinha. 

O hambúrguer não tem regras rígidas, mas tem boas práticas que foram testadas e que deram certo.

A dica de ouro para um bom hambúrguer é a quantidade correta e equilibrada de gordura no blend. Se for muito acima ou muito abaixo, vai dar errado. 

A quantidade mínima em um hambúrguer é de 15%, mas recomendamos que tenha em média 20% de gordura do total do peso do blend. Além do sabor, a gordura é responsável pela suculência do hambúrguer. Em nossos blends, trabalhamos com 20% de gordura e ficam bons para a panela ou chapa e também para a churrasqueira.

Além do sabor e suculência, é a gordura que dá a liga no blend

Nem pense em colocar ovo, sopa de cebola ou qualquer tipo de tempero no hambúrguer. Hambúrguer de verdade é feito exclusivamente de carne e gordura na proporção correta e é preciso certificar-se que a carne seja moída na hora, que a máquina de moer esteja limpa e sem sobras de outras peças.

A gordura mais usada é a do peito ou de costela, pois é abundante e muito barata.

É uma das gorduras ideais para prepararmos um hambúrguer perfeito, pois são bem sólidas, dissolvem bem com o calor e possuem um ótimo sabor, mas você pode usar também da fraldinha, de picanha e outras.

Então, se gordura é igual a sabor e ainda deixa meu blend mais barato, por que não usar 40% de gordura no hambúrguer?

É simples, se tiver muita gordura em seu hambúrguer ele vai encolher no momento que for ao fogo. E o que parecia ser um hambúrguer grande, se tornará um hamburguinho bem pequeno e pode até se desmanchar. 

A gordura vai derreter e escorrer, então uma parte dela será perdida, principalmente na churrasqueira. Então não ultrapasse muito o limite, pois existe razão para ser em torno de 20%.

Agora que você já entendeu o papel da gordura, vamos falar da combinação de carnes que vai garantir um sabor delicioso ao seu burger e até mesmo diferenciado. 

Blends para o seu burger

Para fazer um hambúrguer saboroso, a primeira das técnicas que os profissionais usam é o blend de carnes, isto é, a mistura entre diferentes cortes de carne para que o hambúrguer tenha sabor único. 

No passado, as hamburguerias tradicionais preparavam o hambúrguer usando apenas patinho, coxão mole ou outro tipo de carne de preferência. Mas para seu hambúrguer ter personalidade e sabor inigualável é preciso escolher pelo menos dois cortes de carne para chegar a um resultado único.

Muitos querem reinventar a roda e tentar um blend exclusivo ou até mesmo exótico. Você pode brincar com isso, mas sugerimos que antes disso concentre-se em primeiro acertar os mais tradicionais. 

Você pode seguir a regra do 80/20, e manter essa proporção de proteína para gordura.

O básico que dá certo para você fazer aí na sua casa é uma mistura de: 

  • acém + peito + capa de filé
  • peito + fraldinha
  • acém + tutano
  • patinho + acém + costela bovina
  • patinho + acém + gordura de peito
  • fraldinha + maminha
  • costela bovina + peito
  • peito + acém + fraldinha

Para um blend equilibrado, busca-se carnes de características complementares que tragam cor, textura firme, personalidade no sabor e gordura!

Sobre os blends é o que você tinha saber, mas não pense que acabou aí. Você precisa entender como deve ser feita a moagem para que a textura do seu burger dê certo. 

A moagem

É importante tomarmos alguns cuidados nessa etapa, embora pareça a parte mais simples do processo, a moagem vai definir a textura do seu hambúrguer. 

Comece pedindo ao açougueiro para limpar as carnes e deixá-las livres de nervos e dos tecidos que muitas vezes revestem algumas partes da carne. 

No moedor, o ideal é pedir que usem o bocal médio ou grande, pois se for muito pequeno a carne moída pode se transformar em um patê de carne e isso acabará com a textura do hambúrguer, deixando ele pesado e compacto. Se for muito grosso, seu hambúrguer pode ficar com pedaços não moídos de carne, o que também não é muito agradável.

Depois de limpas, peça para as carnes escolhidas serem cortadas em cubos grandes (com uns 6cm de largura), assim como a gordura que será misturada. Outra opção é cortar tudo em tiras. O objetivo é conseguir misturar as carnes com a gordura enquanto a carne vai sendo moída. Misturar antes de colocar no moedor facilita a mistura do blend logo na primeira passagem pelo moedor.

Em nossos hambúrgueres, geralmente pedimos ao açougueiro para moer as carnes duas vezes usando os aros bocais entre médio e grande de acordo com a textura desejada - esse é o jeito mais prático para garantir que as carnes e a gordura se misturem bem e você não precisará colocar as mãos para misturá-las depois.

A textura também fica mais leve uniforme para o hambúrguer.  

Moendo a carne uma vez temos um blend menos misturado e com mais textura dos grãos da carne, moendo duas vezes temos uma massa mais uniforme do blend e uma textura mais compacta. 

Você pode testar e ver de que forma você prefere a textura do seu burger, tendo a carne sido moída uma ou duas vezes. 

Dá para moer em casa? Sim, daí a dica é cortar a carne em cubos e colocá-la no freezer por uns 15 minutos, até ficarem firmes mas não congeladas e então moê-las em um moedor elétrico ou processador, com pulsos rápidos de 1 segundo até obter uma mistura homogênea (mas não um patê de carne!)

E o peso ideal? Será que existe um? É o que você vai aprender agora.

O peso ideal

Qual o peso ideal para um hambúrguer perfeito? Se preferir um hambúrguer alto e usar um aro de 11cm de diâmetro, o ideal é trabalhar com 180 a 200g de carne. Para um hambúrguer mais fininho, trabalhe com 100g a 120g. Em ambos os casos você fará tudo exatamente da mesma maneira.

Pegue uma quantidade de carne que caiba na palma da sua mão, aproximadamente do tamanho de uma bola de tênis. Isso resultará em um hambúrguer de 180g a 200g.

Indicamos que seus hambúrgueres sejam moldados de 100g até 200g. Menos que isso eles são indicados para smashs e mais que isso talvez seja desnecessário.

Para garantir que todos fiquem exatamente iguais, use uma balança e pese. Faça isso até que sua carne esteja separada em porções iguais.

Você já aprendeu sobre os cuidados com a compra, escolha das carnes, cortes, blends, moagem e chegou a hora de saber o que deve fazer para que seu burger tenha a aparência correta e não vire uma almôndega.

Moldando

Nós preferimos os burgers altos, pois ficam muito mais suculentos e saborosos. Mas às vezes é gostoso comer os mais fininhos e até fazer um duplo com eles.

Sugerimos que tenha os utensílios abaixo para facilitar a sua produção:

  • Balança digital ou analógica;
  • Modelador de burger ou aro para fritar ovo com 11cm de diâmetro;
  • Papel manteiga – corte em quadrados de 11 cm ou com o mesmo diâmetro do aro que vai usar para moldar;
  • Colher de sopa.

Com as bolas de carnes formadas, pesadas e devidamente posicionadas, coloque o modelador ou aro de ovo ao redor da quantidade de carne que separou e com a colher de sopa aperte gentilmente a carne até o hambúrguer preencher todo o espaço do aro. Você pode fazer isso também com as mãos, mas a colher evita que a carne esquente e também é mais prática para grandes quantidades.

Quando a carne tiver ocupado todo o diâmetro do aro, aperte com a colher no centro do hambúrguer, isso fará com que o meio fique mais fundo do que as laterais. Essa é a dica para seu hambúrguer não estufar no meio e encolher de diâmetro quando for ao fogo, ficando menor que o pão e parecendo mais um polpetone.

Se não tiver nenhum destes itens e quiser fazer um hambúrguer caseiro, pode fazer usando as próprias mãos. O resultado chegará em um hambúrguer mais rústico, mas que terá a mesma qualidade. 

Se você está trabalhando sem um modelador, seja rápido ao moldar seu hambúrguer! Se o blend já foi bem feito a carne quase não precisa de manipulação. Só bata a carne entre as mãos se realmente for necessário. 

Quando você não sobrecarrega a carne levando de uma mão para outra, as lacunas microscópicas permanecerão entre os pequenos pedaços de carne, assim, enquanto você cozinha o hambúrguer, a gordura vai para esses pequenos espaços, deixando seu hambúrguer mais suculento.

Lembre-se que em todo tempo a temperatura não pode ultrapassar os 4˚C.

Use o papel manteiga para separar um hambúrguer do outro e empilhe no máximo 3 hambúrgueres de 180g para que eles não amassem. 

Se quiser congelar os hambúrgueres e usar depois é possível. Mas nossa recomendação é usá-los sempre frescos, pois ficam muito mais gostosos.

Moldar a carne não é uma tarefa difícil e a próxima é bem simples também. Vamos ver agora como deve ser o tempero que vai apenas ressaltar o gosto do seu burger e transformá-lo em uma explosão de sabor a cada mordida.

O tempero

Quando você está usando bom blend, os hambúrgueres não precisam de nada além de sal, preferencialmente o kosher ou a flor de sal. Se quiser valorizar um pouco mais o sabor, use pimenta preta moída, preferencialmente moída na hora.

Sabemos que no Brasil esses são tipos de sal difíceis de se achar, então para substituí-los o ideal é o sal entrefino ou sal de parrilla. 

Quimicamente, não há praticamente diferenças entre o sal comum, o sal kosher, o sal marinho e a flor de sal. Todos são basicamente cloreto de sódio (NaCl) e o grande diferencial entre eles é o tamanho dos grãos.

Coloque o sal por cima do hambúrguer. Salgue na hora do preparo para não desidratar a carne. Pimenta do reino moída na hora é ótima ideia e, se adicionada ao final, tem seu perfume valorizado.

A quantidade de sal é algo muito particular, mas fique atento, se colocar pouco, o hambúrguer ficará menos “saboroso”. 

Chegou a hora que você tanto desejava, a de preparar o seu burger. Preste atenção nas dicas essenciais que separamos para você. 

Dicas de preparo

Se você for preparar em uma frigideira, dê preferência para a de ferro fundido. É eterna. Sabe aquela música que diz: “Panela velha é que faz comida boa”? Pois bem, essa é a frigideira de ferro fundido. Fica cada vez melhor com o tempo.

Se quiser utilizar uma gordura na panela, use manteiga. Não indicamos que  use azeite pois ele altera muito o perfil do sabor e não indicamos o uso de óleos vegetais por serem inflamatórios para o corpo e fazerem mal à nossa saúde.

Não vire constantemente o hambúrguer. Nada de apertar, virar ou mexer. Não pressione o seu hambúrguer enquanto cozinha, ou você vai espremer o suco. Deixe a carne na panela pelo tempo necessário até virar apenas uma vez.

Se olhar na lateral do hambúrguer vai perceber que aos poucos o hambúrguer vai ficando marrom acinzentado de baixo para cima. O calor vai cozinhando a carne e subindo até o outro lado do burger. Quando a lateral do hambúrguer estiver quase toda nesta coloração é hora de virar.

Assim que virar, coloque o queijo desejado por cima da carne e use o abafador.

Passo a passo

Agora vamos ao passo a passo para cozinhar o hambúrguer tradicional (ao ponto):

  1. Aqueça a frigideira ou chapa em fogo médio-alto, no caso de grills e churrasqueiras a temperatura também deve seguir esse padrão entre os 230˚C e  os  250˚C. Coloque  seu  hambúrguer  na  frigideira  já  aquecida  e   tempere. Considerando uma carne de 180g em uma chapa a 230˚C, podemos deixar o hambúrguer cerca de 2-3 minutos de cada lado. 
  2. Logo que virar você deve temperar o outro lado e, no último minuto, se for utilizar, é a hora de colocar o queijo. Após esse processo use um abafador para garantir o derretimento. 

O abafador não é uma tampa de panela. O abafador ficará em contato direto com a superfície quente da panela e é alto o suficiente para não encostar no queijo.

O calor da panela aquecerá o metal do abafador que funcionará como fonte de calor superior e derreterá o queijo em pouco tempo. E não exagere no uso do abafador, ele deve ser usado apenas para derreter o queijo e pronto. Se deixar desde o momento da virada ou tempo demais, o queijo vai derreter muito e escorrer para a panela, além de deixar o hambúrguer cozido.

  1. É muito importante deixá-lo descansando por cerca de 1-3 minutos antes de servir para redistribuir os sucos. Como o centro da carne (principalmente as mal passadas) solta umidade depois do preparo, é indicado deixar que ela descanse antes de colocar no pão.

O ponto da carne é algo pessoal e é por isso que você precisa estar atento ao preparo para não errar o ponto desejado. Se liga então nos truques! 

Pontos do seu hambúrguer

O ponto da carne ainda é uma dificuldade e requer certa prática. Para facilitar vamos estabelecer aqui algumas dicas de tempo e temperatura. Vamos usar como parâmetro um hambúrguer de 180g com 2,5 cm de altura. A partir disso você pode adaptar para a gramatura que vai utilizar.

A maneira técnica de saber qual o ponto de uma carne é usar um termômetro, os que possuem uma haste que é inserida na carne e medindo a temperatura. Veja a seguir a temperatura de cada um dos pontos.

Mal passado

O hambúrguer fica selado e a carne apenas aquecida no centro. No interior ainda está muito vermelha. Temperatura: 50º a 55º C - Tempo: 1 min 20 seg de cada lado.

Ao ponto para mal passado

É um pouco mais passado que o malpassado. As bordas do hambúrguer já aparentam um aspecto mais cozido, deixando apenas o centro avermelhado e úmido. Temperatura: 55º a 59º C - Tempo: 2 min de cada lado.

Ao ponto

O hambúrguer agora está com o centro bem rosado. A textura da carne começa a ficar mais firme. Temperatura: 60º a 65º C - Tempo: 2 min 20 seg de cada lado.

Ao ponto para bem passado

O hambúrguer praticamente não tem mais parte rosada no centro. Temperatura: 65º a 69º C - Tempo: 3 min 20 seg de cada lado.

Bem passado

O hambúrguer não tem mais nenhum vestígio rosado, a carne fica muito firme e com aspecto seco. Temperatura: 70º a 100º - Tempo: 4 minutos de cada lado (ou mais). É impossível ter um hambúrguer suculento neste ponto,pois quando a carne passa do ponto, ela perde em sabor e textura. 

A gente queria que você fosse vegano para não ter cometido essa atrocidade!

Atente-se ao fato de que qualquer mudança na altura do hambúrguer, potência do fogão e panela altera o tempo de cocção.

Vamos agora aos complementos? Burger bom você pode comer até puro, no prato, sem complementos, mas, para incrementar o seu lanche carnívoro, veja as ideias que separamos.

Complementos

Do molho especial ao bacon, precisamos entender o que queremos mostrar com cada hambúrguer que preparamos, os complementos trazem personalidade ao hambúrguer e as possibilidades são infinitas.

Você pode usar como ideia de complementos: molhos, ovos, bacon, cream cheese, sour cream, catupiry, maionese, presunto, pulled pork, salame etc. 

Atenção para as dicas adicionais que separamos para você: use o queijo em contato com a crosta de Maillard da carne, isso potencializa o sabor do queijo e da carne; bacon sempre crocante, mesmo o caramelizado e acompanhamentos defumados funcionam tão bem quanto a carne defumada, arrisque!

Por falar em queijo, não podíamos deixar de fora as dicas específicas sobre a escolha deles. Os queijos dão um toque especial ao burger e deixam ele ainda mais saboroso.

Queijos

Não tem como falar em complementos do hambúrguer sem dar um cuidado especial ao queijo.  

Podemos separar os queijos nos seguintes grupos: massa mole, firmes, duros, massa filada e queijos fundidos.

Massa mole

Umidade entre 50% e 80% e podem ser ou não curados. Funcionam bem em hambúrgueres, mas geralmente são utilizados em sanduíches e apresentações frias. Entre os não curados temos o Queijo Minas e o Mascarpone, já nos curados temos o Brie e o Camembert.

Firmes

Umidade entre 40% e 50% e são maturados de várias maneiras. Fazem parte desse grupo os queijos Gouda, Prato, Estepe, Roquefort, Gorgonzola entre outros.

Duros

Umidade entre 30% e 40%, são conhecidos pela textura quebradiça e o sabor intenso. Os mais conhecidos são o Parmesão, Pecorino, Emental e o Cheddar Inglês, sucesso nas hamburguerias. Como no caso do Cheddar inglês, alguns queijos desse estilo funcionam bem derretidos, outros funcionam melhor em crostas ou gratinados.

Massa filada

Umidade entre 40% e 50%, o mesmo teor de umidade dos queijos firmes, porém passa por um processo de fabricação onde se estica a massa do queijo para criar filamentos, nesse grupo conhecemos bem a Muçarela e o Queijo Coalho.

Fundidos

Geralmente são misturas de queijos que passam por processamento, funcionam bem em hambúrgueres mas é preciso muito cuidado na compra, algumas marcas têm enormes quantidades de amido na composição.

Os mais básicos e que combinam com tudo são o queijo prato, muçarela e o cheddar. 

Não sugerimos que você fique brincando de derreter queijo com o maçarico, pois a chance do seu hambúrguer ficar com gosto de isqueiro é muito grande.  Utilize o abafador.

Agora que seu hambúrguer está pronto, basta usar sua criatividade e montar do jeito que mais gosta. 

Você achou que não ia ter pão, né? Mas demos um jeito e inventamos um pão carnívoro para que você possa comer seu lanche com as mãos e não só no prato.

O Pão Carnívoro

Você pode comer o seu hambúrguer no prato ou com um pão carnívoro, preparado com ingredientes de origem animal. O pão está lá somente para dar suporte e complementar o hambúrguer.

Pão de gema
receita relacionada

Pão de gema

Pão carnívoro proteico baseado em gemas de ovos.

Acessar receita
Hambúrguer com queijo
receita relacionada

Hambúrguer com queijo

Como preparar um burger grelhado com queijo.

Acessar receita
No items found.

É sempre servido quente, chapeado com manteiga ou não, mas sempre quente.

É exatamente como fazer um pão na chapa: corte o pão, passe a manteiga em uma panela pré-aquecida e doure o pão. Ao aquecer o pão e dourá-lo com a manteiga, você consegue dificultar que o suco da carne penetre na base e faça com que o pão fique todo molhado. Além de dar muito sabor com a manteiga, que combina perfeitamente com a carne.

Ah, antes que a gente esqueça, também dá pra fazer na grade do forno!

Se não quiser usar manteiga, tudo bem, sele da mesma forma, porém haverá diferença de sabor e o pão ficará menos impermeabilizado.

Lembre-se que eles fazem parte da composição e que o tamanho e peso precisam fazer sentido no preparo. Para um smash burger por exemplo, podemos usar pães mais finos e mais leves.

Sobre o tamanho do pão de hambúrguer, precisamos levar em conta o tamanho da carne. A grande maioria dos modeladores faz carnes de 11cm de circunferência, então o tamanho ideal do pão fica perto dos 9cm, já levando em consideração a redução da proteína durante o processo de cocção. Se a carne tiver 12 cm de circunferência, o tamanho ideal do pão será em média 10cm.

Mostre seus dons na cozinha

Esperamos que você tenha compreendido as regras para criação de um burger perfeito, que vão desde a escolha correta das carnes até os toques finais e que possa fazer hambúrgueres de qualidade e saborosos em sua casa. Eles tornam a dieta carnívora ainda mais gostosa, são baratos por conta do uso de carnes "de segunda" e práticos de serem preparados e consumidos. 

Quando você preparar seus hambúrgueres em casa, não esqueça de mostrar o resultado final, postando a sua criação e marcando a gente no Instagram: @jade.soller, @paoloknopp. Use a hashtag #receitascarnívoras. 

sobre

Criadores da receita

Esta é uma das receitas do Portal de Receitas Carnívoras, por Jade Soller e Paolo Knopp.