Para ilustrar a importância de comer uma variedade de frutas e vegetais, os profissionais da saúde geralmente aconselham você a comer pratos coloridos.

Acontece que, muito antes de sermos instruídos a “comer o arco-íris”, os humanos comiam localmente e sazonalmente. 

Por praticamente toda a história, à medida que as estações mudavam, nossa dieta também mudava. Ao longo de um ano, podemos ter sim ter consumido plantas, mas há realmente algum mérito em comer intencionalmente o arco-íris?

As fantasias de pratos coloridos sonhados por nutricionistas modernos não têm relação com a realidade de que podemos prosperar sem comer uma cornucópia de frutas e vegetais.

Para você ter uma ideia, membros da nação indígena Esquimó que habitam os árticos do Canadá, do Alasca e da Groelândia, alimentavam-se de carne de focas, renas, pássaros, morsas, ursos, peixes e baleias.

A dieta tradicional Esquimó é praticamente isenta de vegetais e é bastante baixa em carboidratos. Eles provaram que a atual teoria nutricional de uma "dieta colorida" é um absurdo. 

Além dos esquimós, as tribos Massais são grupos de seminômades que vivem predominantemente na Tanzânia e no Quênia. A vida deles gira em torno do gado e a base é carne, leite e sangue. Eles consideravam frutas e hortaliças como alimentos para vacas.

Os alimentos vegetais sempre estiveram sujeitos à sazonalidade em todo o mundo, enquanto os alimentos de origem animal estão mais facilmente disponíveis durante todo o ano.

Se comer o arco-íris fosse tão milagroso, teríamos visto melhorias incríveis em nossa saúde no momento em que começamos a enviar frutas e vegetais para todo o mundo. Em vez disso, vimos o oposto.

Apesar do que nos foi dito, comer o arco-íris não é necessário e nunca foi baseado em nenhuma ciência da nutrição. 

Antes de meados do século XIX, os humanos comiam com base em sua localização geográfica e no que estava disponível sazonalmente. Hoje em dia, os produtos são enviados para todo o mundo e nem mesmo se parecem com alguns milhares de anos atrás.

Então, por que isso importa? Bem, antes da domesticação das plantas, estávamos prosperando baseando a dieta especialmente em animais. E isso não é apenas uma teoria.

Quer olhemos para sociedades de caçadores coletores modernos ou o registro antropológico de caçadores-coletores, há um traço comum: a ausência de doenças degenerativas. Essas doenças costumam ser chamadas de doenças da civilização e estão diretamente ligadas à nossa dieta.

Então, como os caçadores-coletores evitam doenças degenerativas? Bem, não comendo o arco-íris e focando a dieta em alimentos que advêm de animais ou são derivados deles.

Na verdade, os caçadores-coletores em todo o mundo obtinham boa parte de suas calorias de alimentos de origem animal (*). Sempre e onde fosse ecologicamente possível, os caçadores-coletores consumiam grandes quantidades de comida animal. Essa é a dieta que garantiu que fossem livres de doenças crônicas.

Somente quando era ecologicamente difícil obter fontes de alimento animal e/ou quando alimentos vegetais ricos em energia e facilmente obtidos, estavam disponíveis, os alimentos vegetais tinham espaço nas dietas dos caçadores-coletores. 

Alguns pesquisadores acreditam que a dieta de caçadores-coletores deve servir de modelo para nações desenvolvidas assoladas por doenças crônicas (*). Certamente, esse seria um modelo mais viável do que a pirâmide alimentar baseada em grãos ou a recomendação arbitrária de comer alimentos coloridos.

Se os profissionais de saúde recomendam comer os alimentos mais ricos em nutrientes, eles são forçados a se contradizer. Afinal, o pensamento difundido de que os alimentos de origem animal são prejudiciais à saúde se choca com o fato de que são carregados com nutrientes saudáveis ​​e biodisponíveis.

Vitamina A: De 12 a 24 vezes mais biodisponível em alimentos de origem animal. (Vitamina A vs. Carotenoides) – 2kg de cenoura para obter o que obteria em 85g de fígado;
Vitaminas B1, B2, B3, B6: Os alimentos de origem animal são fontes superiores;
Vitamina B12 (é calmante): Não encontrada em alimentos de origem vegetal;
Vitamina C: Os alimentos de origem vegetal são fontes superiores, porém não há deficiência em uma dieta carnívora;
Vitamina D3 (necessária para a serotonina): Não encontrada em alimentos de origem vegetal;
Vitamina E: Mais baixa em alimentos de origem animal, porém alimentos de origem animal (como salmão, bacalhau e ovo cozido) apresentam esta vitamina;
Vitamina K2 (promove a saúde do cérebro): Não encontrada em alimentos de origem vegetal;
Ferro: O ferro heme é pelo menos três vezes mais biodisponível que o ferro não-heme (origem vegetal). Muitos componentes das plantas interferem na absorção do ferro não-heme;
Cálcio: Algumas plantas contêm componentes que interferem na absorção do cálcio;
Iodo: Algumas plantas contêm goitrogênicos que interferem na utilização do iodo;
Zinco: Os alimentos de origem animal são fontes superiores. Algumas plantas contêm componentes que interferem na absorção do zinco;
Creatina: A creatina é um composto que só podemos encontrar em alimentos de origem animal, como carne vermelha, frango e peixe;
Os alimentos de origem animal são fontes superiores de carnitina e colina.

Os alimentos de origem animal estão entre os alimentos mais ricos em nutrientes do planeta. Alguns dos nutrientes que eles contêm em grandes quantidades são difíceis de obter em outro lugar, pois as versões vegetais são mal absorvidas e / ou convertidas.

Já os vegetais, eles não são os elixires de cura que pintam por aí. Na verdade, além de não serem os alimentos mais saudáveis, ainda podem realmente ser prejudiciais para muitas pessoas.  Além deles não fornecerem tantos nutrientes biodisponíveis, existem as desvantagens de possuírem vários antinutrientes, toxinas que ocorrem naturalmente, etc.

No passado, os antinutrientes podiam ser melhor toleráveis, considerando que não estavam disponíveis o ano todo. Obviamente, não podíamos misturar couve e espinafre em um smoothie todas as manhãs. Smoothies verdes diários podem até ser uma receita para o acúmulo de oxalatos em nosso corpo (*).

Ok, então há antinutrientes em alimentos vegetais, mas por que isso importa?

Nossos ancestrais comiam alguns antinutrientes, mas isso não aconteceria em todas as refeições, muito menos várias vezes, todos os dias. Os humanos podem tolerar esses compostos em quantidades moderadas, de vez em quando.

No entanto, por alguma razão estranha, estamos sendo informados para consumi-los várias vezes ao dia e até mesmo como sendo a base da nossa alimentação.

Quando não vivemos ou comemos como nossos ancestrais faziam, uma incompatibilidade entre nossos genes e o meio ambiente alimenta o fogo das doenças crônicas. 

Hoje ninguém está mais comendo de acordo com as estações do ano e produtos locais. Vivemos no mesmo corpo que nossos ancestrais caçadores-coletores e esperamos que ele se adapte a um influxo de antinutrientes.

Não é de admirar que estejamos vendo uma explosão nos problemas de saúde relacionados ao intestino, sejam eles problemas digestivos, autoimunidade ou distúrbios neurológicos.

Curiosamente, as pessoas que dão um passo para trás do dogma dominante e adotam uma abordagem carnívora ou baseada em animais, veem melhorias surpreendentes em sua saúde.

A maior parte da nossa nutrição deve vir de alimentos de origem animal e, a partir daí, podemos procurar incorporar algumas plantas, de preferência aquelas que estão na estação.

Fazendo isso, pode-se consumir alimentos vegetais sem testar nossos limites biológicos. Para nós, comer o arco-íris todos os dias ou em todas as refeições é a receita para o desastre.

Se "comer o arco-íris" inclui comer uma variedade de carnes, com a maior parte de nossas calorias vindo de alimentos de origem animal, então, com certeza, coma o arco-íris, inclua várias carnes no seu prato e se desejar, as complemente com alimentos de origem vegetal, já que na história da humanidade, nunca baseamos a nossa dieta nas plantas.

No items found.
No items found.
No items found.