A grande mentira

"A carne vermelha não é boa para você, e comer mais do que uma pequena porção diária aumentará o risco de câncer de cólon ou aumentará o risco geral de câncer".

Porque você deve querer entender isso

Se comesse carne vermelha aumentasse o risco de desenvolver câncer, você deveria evitá-la. No entanto, se a carne vermelha não causa câncer, você deve comer muita carne vermelha para aproveitar todos os nutrientes que ela contém. Não há dúvida de que a carne vermelha é cheia de vitaminas, minerais, proteínas e gorduras saudáveis.

Quem apoiou essa mentira

A Organização Mundial da Saúde (OMS) proclamou em 2015 que a carne vermelha é uma causa provável de câncer em humanos. 

Devido a esse risco, a OMS alerta que os humanos limitem a carne vermelha em suas dietas. 

A recomendação é baseada em alguns estudos observacionais prospectivos que mostraram uma ligeira correlação entre comer carne vermelha e aumentar o risco de câncer. Os dados para esses estudos vieram de dados autorrelatados coletados em Questionários de Frequência Alimentar. 

Todos os especialistas neste assunto berram e explodem sobre a verdade absoluta dessa mentira, mas a pesquisa real é bastante anêmica. Nenhum estudo controlado prova qualquer ligação entre comer carne vermelha e aumentar o risco de câncer.

Tolice total

Os humanos, em nossa forma atual, comem carne vermelha há pelo menos 200.000 anos. 

Muito antes de cultivarmos grãos, fermentar vinho ou fazer queijo, estávamos caçando animais de grande porte e comendo sua carne. (*) (*)

Nossos ancestrais caçaram muitas espécies de animais grandes até a extinção. Dizer agora que a carne vermelha que nos alimentou por milênios tornou-se ruim para nós é uma tolice total.

Nossa espécie floresceu e prosperou comendo carne de grandes mamíferos. Na verdade, alguns especialistas acreditam que o motivo pelo qual o tamanho do nosso cérebro aumentou para o tamanho atual é a quantidade de carne vermelha gordurosa que nossos ancestrais consumiam. 

Então, se a ciência vai nos dizer que um alimento que nos nutre por tanto tempo agora é ruim para nós, é melhor que houvesse alguns dados concretos para apoiar essa afirmação.

Estudos fracos

Como acontece com outras mentiras que já discuti aqui antes, a pesquisa para apoiar a mentira de que a carne vermelha é uma causa provável de câncer vem de estudos epidemiológicos mal conduzidos, que mostram correlação entre duas coisas, em vez de provar que uma coisa causa a outra. 

Os estudos epidemiológicos não são experimentos; são hipóteses (suposições) não testadas e, portanto, completamente impotentes quando se trata da capacidade de mostrar relações de causa e efeito entre quaisquer duas coisas, incluindo coisas como carne e câncer. O método científico exige que esses palpites sejam testados em estudos clínicos para verificar se são precisos ou não.

A maioria desses estudos observacionais é baseada em questionários de frequência alimentar que contém dados relatados pelos participantes da pesquisa. 

Perguntas como: "Quantas gramas de costela você consumiu nos últimos 3 meses?" são difíceis de responder e os participantes tendem a adivinhar ou estimar para chegar a uma resposta.

Outro problema com esse tipo de pesquisa são as ideias preconcebidas do pesquisador. 

Como esse tipo de estudo não é randomizado e nem duplo-cego, as noções preconcebidas do pesquisador podem se infiltrar nos resultados do estudo, e muitas vezes acontecem. Esse preconceito não é evidência de desonestidade; faz parte da natureza humana ver o que você espera encontrar.

Ainda, o medo do julgamento pode impedir os participantes do estudo de dizerem a verdade completa. 

Se os entrevistados acham que alguém vai ler os resultados fazendo julgamentos sobre as respostas, eles podem muito bem confundir suas respostas de uma forma ou de outra. 

Os pesquisadores são incapazes de controlar essa reação dos participantes, então os QFAs geralmente fornecem poucas informações úteis.

Os fatores de confusão são outras coisas que podem estar levando ao resultado que o estudo está procurando. 

Por exemplo, muitas pessoas que comem muita carne vermelha também fumam e bebem álcool, os quais aumentam o risco de câncer. 

Se esses tipos de variáveis não forem controlados no estudo, eles podem distorcer os resultados e fornecer conclusões falsas. 

Muitos estudos que parecem mostrar uma ligação entre a carne vermelha e o câncer não controlam o fumo, o consumo de álcool ou o nível de atividade. Não ajustar os dados para esses fatores de confusão torna os resultados do estudo inúteis. 

Não há evidências de ensaios clínicos randomizados - o tipo de estudo que poderia estabelecer causa e efeito - de que o consumo de carne vermelha aumente o risco de doença cardiovascular, câncer ou diabetes. (*) (*)

O que você precisa entender

Dada a longa história da humanidade comendo toda a carne vermelha que ela poderia caçar e matar (nós levamos várias espécies grandes à extinção), parece improvável que comer carne vermelha leve a qualquer coisa além de boa saúde. 

Se a carne vermelha realmente causasse câncer, então os humanos já estariam extintos por causa de todo o câncer que nossos ancestrais teriam por comer toda aquela carne vermelha. 

Não há nenhuma evidência na antropologia ou arqueologia de que nossos ancestrais considerassem a carne vermelha outra coisa senão um alimento delicioso e saudável.

Quando paramos de depender das manchetes dos jornais para nosso conhecimento científico sobre o assunto e realmente nos aprofundamos na pesquisa, descobrimos nenhuma evidência concreta e de alto nível de que a carne vermelha causa câncer. 

Faça como eu

A carne vermelha é uma grande parte da minha dieta carnívora diária. 

Não tenho medo de que a carne vermelha me torne outra coisa senão muito saudável, assim como fez com meus ancestrais. 

Carne vermelha cozida em fogo aberto nutriu meus ancestrais por milhares de séculos, e também me nutre. 

Fico de olho na pesquisa, mas até agora não vi nada que me faça temer apreciar a nutrição de carnes vermelhas.

Atenção!

Cerca de 5% dos cânceres são causados por mutações herdadas no nascimento. Cerca de 15% dos cânceres são causados por vírus. O restante - um total de 80% - está associado aos seguintes fatores de risco:

  • Fumar
  • Álcool
  • Obesidade
  • Idade
  • Exposição à radiação
  • Exposição a produtos químicos cancerígenos

Isso significa que a grande maioria dos cânceres pode ser prevenida com modificações no estilo de vida. 

Se a sua intenção é evitar o câncer, saiba que a obesidade é um importante fator de risco para o câncer, e não há dúvida de que a dieta é a ferramenta mais poderosa disponível para controlar o peso. 

Se você está familiarizado com as informações neste site sobre obesidade, sabe que a estratégia alimentar mais eficaz para prevenir e controlar o ganho de peso (bem como prevenir e controlar a maioria das doenças crônicas da civilização) é evitar carboidratos refinados e não as carnes!